fevereiro 18, 2018

Álbum de Erasmo após o fim da Jovem Guarda em 1968 volta em LP após 50 anos


A Jovem Guarda já era um movimento em agonia quando Erasmo Carlos gravou, no primeiro semestre de 1968, o quinto álbum solo. Quando o LP foi lançado, no último trimestre daquele ano interminável, o programa Jovem Guarda já tinha saído do ar e o Tremendão sentava à beira do caminho, perplexo, sem rumo profissional imediato.

Talvez por isso mesmo, Erasmo Carlos – o álbum gravado e lançado pelo cantor e compositor carioca pela extinta gravadora RGE – tenha sido um dos menos ouvidos da discografia do artista ao longo dos tempos. É este disco que volta ao catálogo via Polysom neste ano de 2018, no formato original de LP, 50 anos após o lançamento, com as mesmas 12 músicas da edição original.

Cinco dessas 12 composições – A próxima dança, Nunca mais vou fazer você sofrer, O maior amor da cidade, Senhor, estou aqui e Vou chorar, vou chorar, vou chorar – ostentam as assinaturas de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, então em processo de retomada da parceria após briga que interrompera momentaneamente a produção da dupla. Sintomaticamente, nenhuma das cinco músicas se tornou um sucesso da lavra de Roberto & Erasmo.

Capa do álbum 'Erasmo Carlos', de 1968 (Foto: Divulgação)

Mais digna de nota é a dupla presença no disco do então desconhecido Tim Maia (1942 – 1998), colega de Erasmo na adolescência musical vivida no bairro carioca da Tijuca, onde eles formaram nos anos 1950, com Roberto, o efêmero, histórico e lendário conjunto The Sputniks. Além de ter feito os vocais de Baby baby (Santos Dumont), Tim é o compositor da música Não quero nem saber, uma das primeiras composições do futuro Síndico a ganhar registro fonográfico.

Precedido em junho de 1968 pelo compacto que apresentou a música Para o diabo com os conselhos de vocês (Carlos Imperial e Neneo), tentativa vã de evocar o rock que alavancou definitivamente a carreira de Roberto Carlos, Quero que vá tudo pro inferno (Roberto Carlos e Erasmo Carlos, 1965), o álbum Erasmo Carlos perde no confronto com álbuns anteriores e posteriores do cantor, mas é retrato fiel das hesitações de Erasmo naquele momento de transição para o mundo adulto.





Fonte:G1 - Por Mauro Ferreira

fevereiro 07, 2018

Filme sobre Roberto Carlos ganha previsão de estreia


O filme sobre a vida do cantor Roberto Carlos chegará aos cinemas em 2019, informa o colunista Flávio Rico, do site UOL. A cinebiografia do artista que já vendeu mais de 120 milhões de álbuns deve estrear no circuito comercial apenas no segundo semestre do ano que vem.

O drama é mais um projeto que avança no território da música popular brasileira a ser realizado por Breno Silveira. O cineasta brasiliense dirigiu o sucesso 2 Filhos de Francisco - A História de Zezé di Camargo & Luciano, sobre a trajetória da dupla sertaneja antes da fama, e Gonzaga - De Pai pra Filho, sobre a complicada relação entre Luiz Gonzaga e Gonzaguinha.

Ainda não há nenhuma confirmação sobre o elenco do drama biográfico sobre Roberto Carlos. Segundo informações do UOL, Gabriel Leone, Eriberto Leão e Isis Valverde estão cotados para atuar no longa-metragem, mas mais do que isso são especulações.


Leone interpreta o "rei" em Minha Fama de Mau, ainda inédito e sem data de estreia. O filme de Lui Farias vai contar a história da Jovem Guarda, movimento musical que revelou Roberto Carlos e figuras importantes da música nacional como Erasmo Carlos e Wanderléa, que serão interpretados por Chay Suede e Malu Rodrigues.

Em 2016, foi veiculado na imprensa que a escolha de Leone para Minha Fama de Mau foi definida pelo próprio Roberto. Para a cinebiografia do cantor, ainda segundo o UOL, Roberto não terá influência em nenhuma na escolha no elenco.

O filme será baseado em entrevistas com o cantor e mostrará o controverso acidente que Roberto sofreu aos seis anos de idade, quando foi atropelado por um trem e perdeu parte da perna direita. O caso é um dos assuntos abordados no livro "Roberto Carlos em Detalhes", de Paulo Cesar de Araújo, biografia não autorizada cuja venda foi proibida no Brasil após o artista recorrer ao artigo 20 do Código Civil.

Ainda sem título, a cinebiografia de Roberto, vai abordar da infância do artista, nascido na pequena cidade de Cachoeiro de Itapemirim, sul do Espírito Santo, até o ano de 1968, quando o cantor venceu o prêmio principal do Festival de San Remo, na Itália, com a canção "Canzone Per Te". A vitória na Itália foi um fator fundamental para consolidar a figura de Roberto como Rei.

Fonte: www.adorocinema.com

agosto 18, 2017

Erasmo Carlos traz turnê Gigante Gentil ao Recife

Erasmo aposta no rock and roll em novo disco
Foto: Divulgação

Ele é o Tremendão, tem fama de mau, mas agora, prefere se definir o “gigante gentil”. Com os mais de 50 anos de carreira, naturalmente, Erasmo Carlos dispensa apresentações. Parceiro de Roberto, ele compôs clássicos até hoje enraizados no cancioneiro popular, como “Detalhes”, “Gatinha Manhosa” e “É Preciso Saber Viver”. E se apresenta nesta sexta-feira (18), no Teatro Guararapes, em turnê do mais recente disco, lançado em 2014.

Mesmo sendo um dos principais expoentes da Jovem Guarda, Erasmo prefere falar sobre o agora, e manter sempre o olhar no futuro. “Não pretendo parar tão cedo. Quem vai pagar minhas contas? (risos). Tem tanta coisa ainda pra fazer”, afirma, em entrevista à Folha de Pernambuco.

No Recife, Erasmo apresenta a turnê “Gigante Gentil”, inspirado no disco de mesmo nome, por sua vez inspirado em um apelido dado por uma amiga, que acabou colando. “Era uma brincadeira, aí eu passei a usar. Virou música, virou disco e me rendeu um Grammy Latino”, conta. O cantor se refere ao prêmio que recebeu com o disco em 2014, na categoria Melhor Álbum de Rock.

Além das turnês próprias, Erasmo segue ativo como colaborador de outros letristas. Só neste ano, ele está colaborando com Paulo Miklos, Samuel Rosa, Roberta Campos, Wanderléa e Frejat. À Folha, ele revela ainda que está preparando um livro de poesias, que deve ser lançado ainda neste ano. “Sempre gostei de poesia, procurava colocar nas minhas músicas. Desta vez dediquei um tempo maior a isso”, conta.

Em 2018, um filme sobre sua vida, inspirado na biografia “Minha Fama de Mau”, chega aos cinemas, protagonizado por Chay Suede.

Com 11 faixas e produção do badalado Kassin, que já trabalhou com Nação Zumbi e Los Hermanos, “Gigante Gentil” segue a linha rock and roll dos últimos trabalhos de Erasmo, como “Sexo”, de 2011.

O lançamento foi seguido pela turnê “Meus Lados B”, em 2015, na qual Erasmo revisitou canções menos conhecidas de seu repertório, dando novo significado às músicas.

Entrevista > Erasmo Carlos

Sua última turnê rendeu o DVD “Meus Lados B”, com canções menos conhecidas da sua carreira, como foi revisitar esse material?
Como compositor, a gente sempre gosta das nossas músicas e tem um carinho especial. Quando lançamos um disco, nem sempre o público assimila bem todas as canções, então sempre tem aquelas que você gosta, mas tem pouca oportunidade de tocar. Desta vez, eu me permiti esse luxo e prazer.

Mesmo depois da Jovem Guarda, já nos anos 1970, você passeou por uma área mais experimental em discos como “Carlos, Erasmo”, com influências de samba. Esses trabalhos hoje são considerados por muitos como inovadores. Como foi esse período?

Foi uma época particular da minha vida. A Jovem Guarda acabou. Eu havia mudado de gravadora, mudado de cidade e, consequentemente, conheci gente nova, que já estava em outra praia, e aí eu resolvi embarcar nessa. Eu fiz o que queria, sempre tive essa liberdade e renovei meu som.

Com tantos anos de carreira, você continua com turnês quase ininterruptas, como vê seu show ao vivo agora?
É sempre um prazer porque o show pode ser o mesmo, mas o local, o público, isso sempre muda, e é isso que vai ditar a atmosfera. Cada noite é uma noite. Até hoje dá aquele friozinho na barriga gostoso.

O que pode antecipar dos próximos projetos?
Acabei de assinar com a Som Livre e quero gravar um projeto acústico. Nunca fiz isso, acho que é um momento interessante. Meu pensamento é estar sempre fazendo alguma coisa.

SERVIÇO
Erasmo Carlos apresenta Gigante Gentil
Onde: Teatro Guararapes (Centro de Convenções, Olinda)
Quando: sexta-feira (18), às 21h
Ingressos: R$ 120 (plateia), R$ 100 (balcão), com meia
Informações: 3182-8000




Fonte:www.folhape.com.br

agosto 02, 2017

PAZ E AMOR - Grande utopia hippie, "Verão do Amor" completa 50 anos

Homem vestido como se fosse um hippie faz gesto de "Paz e Amor" com os dedos Imagem: Fred Tanneau/AFP

Há 50 anos, o verão levou a São Francisco muito mais do que sol e dias de praia, tornando a cidade do estado da Califórnia um lugar para a utopia, desejos de paz, liberdade sexual, experimentação de drogas e uma revolução musical com uma pegada psicodélica.

O "Verão do Amor", um dos grandes marcos do movimento hippie e da contracultura dos anos 60, reuniu no bairro de Haight-Ashbury cerca de 100 mil pessoas que sacudiram as convenções sociais dos Estados Unidos e abriram uma alternativa vital para uma juventude que olhava com desconfiança para os mais velhos.

Meio século depois, São Francisco lembra esse fenômeno com uma exposição fotográfica de Jim Marshall na Câmara Municipal, além das mostras "The Summer of Love Experience: Art Fashion and Rock & Roll", no museu De Young, e "On the Road to the Summer of Love", organizada pela Sociedade Histórica da Califórnia.

"Queríamos uma mudança: da guerra, das ideias rígidas sobre o que cada sexo deveria fazer, de por que as pessoas negras tinham que estar lá e as brancas aqui. Não! Por que não podemos tentar fazer com que funcione?", disse Grace Slick, a emblemática cantora da banda Jefferson Airplane, no documentário "The Sixties", da rede de televisão "CNN".

Em 1967, o "Verão do Amor" em São Francisco e o Monterey International Pop Festival em junho atraíram a atenção da mídia para jovens que criticavam a guerra do Vietnã e se declaravam em rebeldia quanto ao materialismo, à autoridade e ao conformismo.

Os hippies apostavam na criatividade e na esperança por um mundo melhor, defendiam a paz e a solidariedade, acreditavam na liberdade da alma e na espiritualidade e, geralmente, rejeitavam qualquer convenção social ou caminho marcado para o clássico "estilo de vida americano".

"Os nossos sorrisos são as nossas bandeiras políticas e a nossa nudez é o nosso cartaz", proclamava o ativista Jerry Rubin, como contado no livro "Hippie" (2004) de Barry Miles.

São Francisco seduzia artistas, moradores de rua, inconformistas e boêmios que compareceram em massa a Haight-Ashbury em 1967 seduzidos pelas promessas que Scott McKenzie cantava na música com o mesmo nome da cidade.

Tratava-se de um lugar compacto em comparação com a enormidade de Nova York e Los Angeles, os aluguéis eram baratos e as grandes casas de arquitetura vitoriana eram ideais para a vida comum. Além disso, a cidade era conhecida pela tolerância racial, por ser o refúgio da geração beat e pelo ativismo politico em torno da Universidade da Califórnia em Berkeley.

Durante esse verão, Haight-Ashbury se tornou um carnaval multicolorido de flores e roupas extravagantes, de shows de rock na rua, de sessões de meditação coletiva, de orgias e aventuras sexuais, e de experimentação com o LSD em busca de novos horizontes místicos.

Mas nem tudo era maravilhoso. O aumento da violência nas ruas e a progressiva chegada das drogas pesadas deixou as autoridades sem saber como reagir perante esse fenômeno.

"Não há nada inteligente, adulto ou sofisticado em utilizar LSD. Só estão se comportando como completos tolos", disse em uma entrevista televisiva o então governador da Califórnia e futuro presidente dos EUA, Ronald Reagan.

"Gostaríamos de poder viver uma vida espaçosa, uma vida simples, uma boa vida, e de pensar que toda a raça humana dará um passo ou vários para a frente", comentou Jerry García, o líder da banda Grateful Dead, no documentário "Long Strange Trip" (2017).

Junto com bandas como Jefferson Airplane e Country Joe and The Fish, o Grateful Dead deu forma a uma cena musical nova e animadora que, com a introdução da psicodelia, adentrava grandes "jams" e levava ao público o lado mais desconhecido do rock.

São Francisco também soube atrair talentos de outros lugares, como a inigualável texana Janis Joplin, e, ainda que a maioria dos artistas da psicodelia fossem brancos, no calor do movimento hippie também surgiram estrelas como Sly Stone e Carlos Santana.

No entanto, o "Verão do Amor "morreu pela sua própria fama e terminou se transformando, com o passar dos meses, em uma atração turística pelo excesso de público e exposição na mídia.

No dia 6 de outubro, ativistas de Haight-Ashbury organizaram um funeral simbólico pela morte do movimento hippie, que caminhou para o campo, em busca de uma vida longe da cidade. Apesar disso, o fenômeno ainda não tinha dito suas últimas palavras: o megafestival de Woodstock na costa leste surpreenderia o mundo dois verões depois.

Autor / Fonte: Uol

julho 14, 2017

Festival de 1969 que moldou uma geração - Woodstock



O primeira edição do Woodstock aconteceu entre os dias 15 e 18 de agosto de 1969, há quase quarenta anos. Na época, aqueles jovens com ideologias de paz, amor livre e boa música não poderiam imaginar que o evento seria um divisor de águas para a música e o símbolo contracultural de uma geração.

Idealizado por  Michael Lang ao lado de seus sócios, o evento tinha um projeto arriscado: um sítio em Nova York com capacidade para mais de 100 mil pessoas foi alugado pela organização do evento, que disponibilizou 200 mil ingressos – boa parte deles foi vendida dias antes. A produção esperava por 200 mil pessoas, mas não foi isso que aconteceu: meio milhão de jovens apareceram por lá, derrubando as cercas de produção e fazendo do Woodstock um evento gratuito – o que contribuiu mais ainda para a ideologia do festival como um todo.


Detalhe: os ingressos eram vendidos por $18 dólares (aproximadamente $75 dólares em valores atuais – nem de longe valores equiparáveis ao Coachella, por exemplo, que podem custar até mil dólares na área vip).

O line up da edição mais icônica do Woodstock é de dar inveja: The Who, Santana, Jefferson Airplane, Joe Cocker e Jimi Hendrix foram alguns dos nomes que tocaram nos três dias do evento. Janis Joplin fez o show mais icônico de sua carreira, chamando a atenção de toda a América para a sua voz potente e presença de palco impressionante.


Artistas como The Beatles, Joni Mitchell e The Doors foram cotados para tocar, tendo recusado por motivos distintos (Mitchel, por exemplo, não tocou para poder participar de um programa de TV). Ninguém imaginaria que o evento tivesse tanta representatividade – não é preciso nem dizer que esses artistas se arrependeram da decisão depois, né?!

Para comemorar uma das eras de ouro do rock’n'roll, selecionamos 3 momentos marcantes da edição de 1969. É pra dar play e viajar no tempo!


1. Joe Cocker – With A Little Help From My Friends

Joe Cocker fez um dos covers mais conhecidos deste clássico dos The Bleatles, uma versão que é celebrada até hoje.


3. Richie Havens – Freedom
Richie Hevens foi o responsável por abrir os shows do Woodstock, e sua apresentação já levantou o público logo de cara (como dá pra ver nesse vídeo).


Nem a chuva, muito menos o lamaçal e tampouco o excessivo uso de substâncias entorpecentes transformaram a festa em baderna generalizada. A julgar pelo número de presentes, a frieza das estatísticas mostra que o índice de incidentes foi mínimo. Equalizado com as ideologias e anseios da juventude dos anos 60, o evento satisfez a maioria dos presentes e deixou um saldo mais do que positivo. Independente dos shows, a harmonia social apresentada pelo público fez do Woodstock um dos grandes momentos culturais do século XX.



Fonte: www.cifraclubnews.com.br


junho 02, 2017

Fernanda Takai lança o clipe 'O Ritmo da Chuva', sucesso da Jovem Guarda



A cantora Fernanda Takai, que há mais de duas décadas está à frente do Pato Fu, acaba de lançar um videoclipe para seu novo DVD solo Na Medida do Impossível Ao Vivo no Inhotim. O videoclipe é da apresentação da canção O Ritmo da Chuva, que é uma versão da canção Rhythm of the Rain, que fez sucesso nas vozes dos The Cascades. Tal versão foi composta e gravada pelo cantor brasileiro Demétrius, tendo ficado na memória da artista, após ter feito parte da trilha sonora da novela Estúpido Cupido, de 1976.

Essa não é a primeira vez que Fernanda grava tal canção. Sua versão também está presente no projeto Um Barzinho – Um Violão – Jovem Guarda, de 2004, em que estava acompanhada de Rodrigo Amarante, dos Los Hermanos. No novo registro audiovisual, há mais uma gravação do período da jovem guarda, o rockabilly brasileiro: A Pobreza, que fazia sucesso com Leno e Lílian. Aliás, faixa A Pobreza estava cotada para ser interpretada no especial de 2004, mas não pôde ser incluída no repertório.
Foto: Beto Staino [Divulgação]

O DVD foi gravado em Inhotim, importante acervo de arte ao ar livre localizado em Minas Gerais e que tem tudo a ver com a poesia da música de Fernanda, em setembro de 2016, depois de dois anos de turnê do disco Na medida do Impossível, lançado em 2014. Na Medida do Impossível Ao Vivo no Inhotim foi dirigido pela Árvore Filmes, produzido por John Ulhoa e com coordenação geral de Patrícia Tavares (Do Brasil Eventos).




Fonte:www.caferadioativo.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Blogger Templates